OUTROS RESULTADOS ABRANGENTES: UMA PERSPECTIVA DO CONSERVADORISMO CONDICIONAL E PERSISTÊNCIA DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

Jefferson Ricardo do Amaral Melo, Paulo Roberto Nobrega Cavalcanti

Resumo


Outros resultados abrangentes tem sido um tema intensamente debatido no meio acadêmico, que só foi consubstanciado em norma a partir da SFAS 130 (1997) do FASB, sendo traduzido para o Brasil através do CPC 26 e tornado obrigatório através dos órgãos reguladores para as companhias de capital aberto a partir do exercício de 2010. Estudos sobre conservadorismo e persistência dos outros resultados abrangentes ainda são incipientes, apenas algumas pesquisas empíricas têm tratado do assunto, como Badia et al. (2015) para conservadorismo condicional e Jones e Smith (2011) para persistência. Dentro deste cenário tenta-se com essa pesquisa avaliar estas duas características de qualidade dos ganhos para uma amostra de empresas brasileiras. Diante deste contexto, levanta-se a seguinte questão de pesquisa: outros resultados abrangentes apresentam aspectos qualitativos no que se refere ao conservadorismo e persistência para o setor elétrico brasileiro? Para responder a questão de pesquisa e atender aos objetivos propostos foi utilizada uma amostra de 24 empresas do setor elétrico brasileiro com ações negociadas na BM&F Bovespa que divulgaram resultados abrangentes em todo período compreendido entre os anos de 2010 a 2014. Quanto aos modelos estatísticos foram utilizados o modelo de Basú (1997) para conservadorismo e o modelo de Dechow e Schrand (2004) para persistência, estimados pelo método dos mínimos quadrados ordinários com dados em painel, para efeitos fixos, aleatório e pooled. Os principais achados da pesquisa mostraram que as empresas apresentaram conservadorismo condicional e baixa persistência nos outros resultados abrangentes, tanto para toda a amostra quanto pela análise de sensibilidade.

Palavras-chave


Outros resultados abrangentes. Conservadorismo Condicional. Persistência

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31864/rcc.v2i1.1936