DOM CASMURRO E DOM: QUESTÕES DE CINEMA E LITERATURA

Daise Lilian Fonseca Dias, José Kelson Justino Paulino

Resumo


O objetivo deste trabalho é fazer uma análise comparativa entre o romance de Machado de Assis, Dom Casmurro (1900), e o filme do diretor brasileiro, Moacyr Góes, Dom (2003). Este artigo destacará pontos de semelhança e de diferenças entre as obras citadas, bem como a questão da adaptação de uma obra do século XIX e de sua releitura para um público do século XXI, a qual apresenta uma mulher, Capitu/Ana, em um contexto próprio àquele de uma mulher livre e emancipada da época atual. O trabalho em questão explicitará teorias sobre o processo adaptativo e elementos presentes na composição da transformação de uma obra literária em um filme. Para tanto, este artigo conta com o suporte teórico de Bazin (1991), Brito (2006), Azeredo (1996), dentre outros. Um dos pontos principais da leitura de Góes (2003) sobre a obra machadiana reside nas relações de gênero, sobretudo nas conquistas empreendidos pelas mulheres, fator que contribui para intensificar o conflito. Góes mostra o homem do século XXI despreparado para lidar com os novos papéis sociais de ambos os sexos no âmbito matrimonial. 

Palavras-chave


Cinema; Literatura; Adaptação.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


A REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

      

Classificação Qualis/CAPES (Quadriênio 2013-2106):
B4 em Linguística e Literatura
B5 em Educação
B5 em Ensino