O trabalho com os gêneros orais na prática de ensino de uma professora do ensino fundamental

Laís Maria Álvares Rosal Botler, Lívia Suassuna

Resumo


O presente artigo tem como objetivo descrever e analisar como uma professora do Ensino Fundamental II do Colégio de Aplicação da UFPE aborda os gêneros textuais orais em sala de aula. Para tal, realizamos uma pesquisa qualitativa, de cunho etnográfico, na qual foi utilizada a técnica da observação. O estudo se baseou em autores como Marcuschi (2003), Antunes (2003), Dolz, Schneuwly e Haller (2004) e Crescitelli e Reis (2011). A análise da sequência de aulas observadas nos levou a perceber que a docente, apoiada na concepção de linguagem como interação, utilizou procedimentos metodológicos diversos e trabalhou o gênero entrevista em suas faces oral e escrita, tratando ambas as modalidades da língua de forma equilibrada, e articulando o gênero com práticas de leitura, produção textual e análise linguística, conforme as orientações mais recentes para o ensino de português como língua materna.

Palavras-chave


Gêneros orais; oralidade; ensino de língua portuguesa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, I. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

BENTES, A. C. Oralidade, política e direitos humanos. In: ELIAS, V. M. (org.) Ensino da língua portuguesa: oralidade, escrita e leitura. São Paulo: Contexto, 2011, p. 41-54.

BEZERRA, M. A. Ensino de língua portuguesa e contextos teóricos metodológicos. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2010, p. 39-49.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAVALCANTE, M.; MELO, C. T. V. de. Oralidade no ensino médio: em busca de uma prática. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 181-198.

CRESCITELLI, M. C.; REIS, A. S. O ingresso do texto oral em sala de aula. In: ELIAS, V. M. (org.) Ensino da língua portuguesa: oralidade, escrita e leitura. São Paulo: Contexto, 2011, p. 29-40.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.; HALLER, S. O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado das Letras, 2004, p. 125-155.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. Coleção Caminhos da Linguística. São

Paulo: Contexto, 1997.

LEAL, T. F.; SEAL, A. G. S. Entrevistas: propostas de ensino em livros didáticos. In: A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012, p. 73-94.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco falada. In: DIONÍSIO, A. P.; BEZERRA, M. A. O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003a, p. 21-34.

______. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003b, p. 19-36.

______. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MATENCIO, M. L. M. Estudo da língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da relação professor-alunos. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

MELO, C. T. V.; CAVALCANTE, M. B. Superando os obstáculos de avaliar a oralidade. In: MARCUSCHI, B.; SUASSUNA, L. (orgs.). Avaliação em língua portuguesa: contribuições para a prática pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

______; MARCUSCHI, B.; CAVALCANTE, M. B. Esclarecendo o trabalho com a oralidade: uma proposta didática. In: A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012, p. 95-114.

MESSIAS, R. A. L. A linguagem oral e o ensino de língua portuguesa. In: V CONGRESSO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. Caderno de Resumos do V Congresso de Ciências Humanas, Letras e Artes. Ouro Preto, 2010, não paginado. Disponível em: http://www.ichs.ufop.br/conifes/anais/EDU/edu1006.htm. Acesso em: 17 set. 2010.

MILANEZ, W. Pedagogia do oral: Condições e perspectivas para sua aplicação no português. Campinas: Sama, 1993.

SCHNEUWLY, B. Palavra e ficcionalização: um caminho para o ensino da linguagem oral. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado das Letras, 2004a, p. 109-124.

______. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado das Letras, 2004b, p. 19-34.




DOI: https://doi.org/10.22297/dl.v4i2.1780

 
 
 
Revista Diálogo das Letras (ISSN 2316-1795). Grupo de Pesquisa em Produção e Ensino do Texto. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Pau dos Ferros. Rio Grande do Norte.
 
 
Indexada em:
 
 
Associada à Associação Brasileira de Editores Científicos - ABEC:
 
 
Registrada no CrossRef:
 
 
Classificação Qualis/CAPES (Quadriênio 2013-2106):
B1 em Linguística e Literatura
B1 em Educação
B1 em Ensino
B2 em Interdisciplinar
B4 Ciência Política e Relações Internacionais