Produção textual escrita: teorias e práticas

Carla Ane Nascimento de Oliveira Almeida, Lúcia Fernanda Pinheiro Barros

Resumo


Este artigo, parte integrante do segundo capítulo da dissertação de Mestrado, teve como objetivo analisar o trabalho com a produção textual escrita na coleção didática de Língua Portuguesa – Novas Palavras – aprovada nas quatro edições (2006, 2009, 2012 e 2015) do Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio (PNLD-EM). A análise consiste em investigar como as propostas de produção de textos dessa coleção evoluem para atender às abordagens metodológicas para o ensino de produção escrita. Para melhor compreensão do nosso objetivo, apoiamo-nos nos pressupostos teóricos e metodológicos do ensino de produção de textos, de acordo com às posições defendidas por pesquisadores como Travaglia (1998), Guedes (2009), Bonini (2002), Barros (2012).  Nosso estudo traçou uma análise na perspectiva comparativo-diacrônica, apresentando um breve histórico das metodologias de ensino de produção textual escrita em contraponto com as propostas do Manual Didático, a fim de identificar se essas acompanham as mudanças e evoluções daquelas. Ao final, concluímos, por vários aspectos, que o eixo da produção escrita na coleção Novas Palavras não está de acordo com os pressupostos teóricos mais atuais.

Palavras-chave


Manuais didáticos; Produção textual escrita; Abordagens metodológicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, E. et al. Novas Palavras: português, volume único. 2. ed. São Paulo: FTD, 2003.

______. Novas Palavras: português, volume 1. 2. ed. renov. São Paulo: FTD, 2005a.

______. Novas Palavras: português, volume 2. 2. ed. renov. São Paulo: FTD, 2005b.

______. Novas Palavras: português, volume 3. 2. ed. renov. São Paulo: FTD, 2005c.

______. Novas Palavras: português, volume 1. São Paulo: FTD, 2010a.

______. Novas Palavras: português, volume 2. São Paulo: FTD, 2010b.

______. Novas Palavras: português, volume 3. São Paulo: FTD, 2010c.

BARROS, F. O professor e a produção de textos escritos: o que se ensina quando se ensina a escrever? Por que se ensina o que se ensina? 2012. 316 f. Tese (Doutorado em Linguística do Texto e do Discurso). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2012.

BONINI, A. Metodologias do ensino de produção textual: a perspectiva da enunciação e o papel da psicolinguística. Perspectiva, Florianópolis: v. 20, n.01, p. 23-47, jan./jun. 2002.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sócio-discursivo. 2. ed. São Paulo: EDUC, 1999.

GERALDI, J. W. (Org.) O texto na sala de aula. São Paulo: Anglo, 2012.

GERALDI, J. W. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GUEDES, P. C. Da redação à produção textual: o ensino da escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ROJO, R. O livro didático de Língua Portuguesa: modos de usar, modos de escolher. In: O livro didático em questão. Boletim Salto para o futuro/TV escola, s/d. Disponível em: . Acesso em: jul. 2013.

SCHNEUWLY, Bernard e DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22297/dl.v7i1.2969

 
 
 
Revista Diálogo das Letras (ISSN 2316-1795). Grupo de Pesquisa em Produção e Ensino do Texto. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Pau dos Ferros. Rio Grande do Norte.
 
 
Indexada em:
 
 
Associada à Associação Brasileira de Editores Científicos - ABEC:
 
 
Registrada no CrossRef:
 
 
Classificação Qualis/CAPES (Quadriênio 2013-2106):
B1 em Linguística e Literatura
B1 em Educação
B1 em Ensino
B2 em Interdisciplinar
B4 Ciência Política e Relações Internacionais