Engenharia didática: abordagens praxeológicas na elaboração de sequências didáticas sobre atividades de linguagem

Luiz Antônio Ribeiro, Cláudia Mara de Sousa, Aurélio Takao Vieira Kubo

Resumo


Este artigo resultou das reflexões ocorridas em uma disciplina ofertada em um curso de pós-graduação stricto sensu, cuja proposta era apresentar e analisar os pressupostos teóricos do Interacionismo Sociodiscursivo - ISD e sua aplicação prática em salas de aula da educação básica. Seu objeto de investigação foi a elaboração de sequências didáticas com foco em atividades de linguagem, por meio de metodologias que integrem pesquisa, desenvolvimento, teste e avaliação, especificamente com a abordagem praxeológica da Engenharia Didática. O objetivo geral consistiu em analisar sequências produzidas por alunos-docentes a partir de um gênero textual específico, confrontando-as e estimando os resultados auferidos, de modo a validar ou não a aplicabilidade das mesmas enquanto dispositivos de ensino. A orientação metodológica adotada foi a da pesquisa-ação. Os resultados sinalizaram progressivo avanço no grau de conhecimento dos estudos sociointeracionistas e sua aplicação na construção de sequências didáticas. Os estudos estimulam a investigação e o uso do arcabouço teórico-metodológico da Engenharia Didática para a concepção e validação empírica de sequências de ensino na área de linguagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. P. Transposição didática: por onde começar? São Paulo: Cortez, 2011.

ARTIGUE, M. Ingénierie didactique: quel rôle dans la recherche didactique aujourd’hui? Les dossiers des Sciences de l’Education, nº 8, 2002, p. 59-72.

ARTIGUE, M. Engenharia Didática. In: BRUN, J. (Org.) Didáticas das Matemáticas. Tradução: Maria José Figueiredo. Lisboa: Instituto Piaget, 1996. p. 193-217.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRAIT, B.; PISTORI, M. H. C. A produtividade do conceito de gênero em Bakhtin e o Círculo. Revista Alfa, São Paulo, n. 56 (2), p. 371-401, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alfa/v56n2/02.. Acesso em: 20 mai. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (versão final). Brasília, MEC, 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais (Ensino Médio): Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, MEC/SEF, 2000.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ, 1999.

DOLZ, J. As atividades e os exercícios de língua: uma reflexão sobre a engenharia didática. DELTA [online], São Paulo, v. 32, n. 1, p. 237-260, 2016.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: Gêneros orais e escritos na escola. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2004, p. 41-70.

HOFFMANN, J. Avaliação: mito & desafio, uma perspectiva construtivista. 24. ed. Porto Alegre: Ed. Mediação, 1998.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPED, n. 11, p. 4-17, mai/jun/jul/ago, 1999.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22297/dl.v8i3.4124

 
 
 
Revista Diálogo das Letras (ISSN 2316-1795). Grupo de Pesquisa em Produção e Ensino do Texto. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Pau dos Ferros. Rio Grande do Norte.
 
 
Indexada em:
 
 
Associada à Associação Brasileira de Editores Científicos - ABEC:
 
 
Registrada no CrossRef:
 
 
Classificação Qualis/CAPES (Quadriênio 2013-2106):
B1 em Linguística e Literatura
B1 em Educação
B1 em Ensino
B2 em Interdisciplinar
B4 Ciência Política e Relações Internacionais