Correção de textos na escola: a visão dos estudantes de licenciatura em Letras

Socorro Cláudia Tavares de Sousa, Joeliane da Silva Cruz Medeiros, Cynthia Israelly Barbalho Dionísio

Resumo


Inserido em um paradigma interpretativista (BORTONI-RICARDO, 2008), este trabalho tem como objetivo investigar as estratégias de correção textual, bem como a compreensão sobre as finalidades da correção, os aspectos a serem priorizados e o papel do professor nesse processo, tal como expressos por estudantes do curso de licenciatura em Letras/Português de uma universidade federal do Nordeste. Para tanto, elaboramos um instrumento de coleta de dados constituído de duas partes: uma redação escolar para correção e três questões abertas. O instrumento foi respondido por 18 alunos que, na época, estavam cursando o 4º período da graduação. Como fundamentação teórica deste trabalho, utilizamos as noções de correção, estratégias de correção e reflexões sobre essa prática na escola (SERAFINI, 2000; RUIZ, 2013; ANTUNES, 2003, 2006, 2009; COSTA VAL et al., 2009). A partir da análise textual dos dados, identificamos que: i )a principal estratégia utilizada pelos graduandos para a correção de textos escolares é a resolutiva; ii) a principal finalidade da correção é orientar os alunos; iii) os aspectos priorizados da correção devem ser a coesão e a coerência; e iv) o papel do professor deve ser o de mediador/orientador. Concluímos que os alunos possuem uma visão ambivalente de correção textual: ora está ancorada em uma concepção tradicional, ora em uma visão interacional de língua.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ANTUNES, I. Avaliação da produção textual no ensino médio. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (Orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 163-180.

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BECHARA, E. Minidicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

BORTONI-RICARDO, S. M. (org.). Postulados do paradigma interpretativista. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 31-40.

BRASIL. Redação do Enem 2018: Cartilha do Participante. Brasília, DF: INEP, Ministério da Educação, 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental- Língua Portuguesa. Brasília, DF: Secretária da Educação Básica, Ministério da Educação, 1998.

COSTA VAL, M. G. da. et al. Avaliação do texto na escola: professor-leitor/aluno-autor. Belo Horizonte: Autêntica Editora/Ceale, 2009.

DINIZ, I. C. S. Crenças e imaginários sociodiscursivos sobre correção de texto: um estudo realizado com estudantes do curso de Bacharelado em Letras. 2013. 126 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Centro Federal de Educação Tecnológica em Minas Gerais, Minas Gerais, 2013.

KOCH, I. V.; TRAVAGLIA, L. C. Texto e coerência. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MANGABEIRA, A. B. A. da.; COSTA, E. V. da.; SIMÕES, L. J. O bilhete orientador: um gênero discursivo em favor da avaliação de textos na aula de línguas. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 42, junho, p. 293-307, 2011.

RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola. São Paulo: Contexto, 2013.

SERAFINI, M. T. Como escrever textos. 10. ed. São Paulo: Globo, 2000.

VIEIRA, P. M. D. de. A correção dialogada entre professores e alunos como ferramenta colaborativa para a promoção da autonomia do aprendiz: um estudo sobre a construção de textos escritos em inglês. 2015. 262 f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22297/dl.v8i3.4125

 
 
 
Revista Diálogo das Letras (ISSN 2316-1795). Grupo de Pesquisa em Produção e Ensino do Texto. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Pau dos Ferros. Rio Grande do Norte.
 
 
Indexada em:
 
 
Associada à Associação Brasileira de Editores Científicos - ABEC:
 
 
Registrada no CrossRef:
 
 
Classificação Qualis/CAPES (Quadriênio 2013-2106):
B1 em Linguística e Literatura
B1 em Educação
B1 em Ensino
B2 em Interdisciplinar
B4 Ciência Política e Relações Internacionais