A IMPORTÂNCIA DA FAVELEIRA NA CONSERVAÇÃO DA CAATINGA: UMA ANÁLISE APÓS O CICLO DE SECAS 2012-2018 EM ÁREA EM PROCESSO DE DESERTIFICAÇÃO

Josimar Araújo Medeiros, Vládia Pinto Vidal de Oliveira

Resumo


Para testar a hipótese de que a faveleira é dominante na comunidade vegetal onde se encontra inserida e exerce influência na diversidade e na densidade de espécies, realizou-se o inventário da vegetação existente em parcelas com a presença da faveleira (PCF) e sem a presença (PSF), numa área rural localizada na comunidade rural Melado, município de São José do Seridó/RN. O trabalho realizou-se entre setembro de 2018 e fevereiro de 2019. Foram contadas todas as plantas vivas e mortas com altura total ≥ 10 cm existentes em 32 parcelas de 10×10 m. Identificou-se 19 espécies, incluindo a faveleira. Oito espécies (42%) foram verificadas apenas nas PCF. Nas 16 PCF foram contabilizados 1.172 plantas, sendo 1.121 vivas (95,7%) e 51 mortos (4,3 %). Nas PSF 785 indivíduos sendo 721 (91,9%) vivos e 64 (8,1%) mortos. Confirma-se que a faveleira apresenta papel chave para a conservação das demais espécies da comunidade vegetal onde se encontra inserida, o que foi comprovado pela maior diversidade de espécies e maior quantidade de plantas vivas nas PCF. Essas informações revelam a importância do vegetal nas ações de conservação da caatinga e/ou recaatingamento, para mitigar os efeitos do processo de desertificação e do aquecimento global no semiárido brasileiro e aumentar a oferta de bens ambientais para as atividades humanas.

Palavras-chave


Nordeste brasileiro; Floresta seca; Faveleira.

Texto completo:

PDF

Referências


APG – The Angiosperm Phylogeny Group. An Update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification for the Orders and Families of Flowering Plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 141:399436, 2009.

AMORIM, I. L.; SAMPAIO, E. V. S.B.; ARAÚJO, E. L. Flora e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea de uma área de caatinga do Seridó, RN, Brasil. Acta bot. bras. Alta Floresta/MT. V. 19. N. 3, p. 615-623, 2005.

ANDRADE-LIMA, D. Plantas das caatingas. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro/ RJ, 1989.

ANDRADE, L. A. Ecologia da faveleira na caatinga: bases para exploração como lavoura xerófila. João Pessoas/PB: Impressos Adilson, 2007.

BEZERRA JÚNIOR, G. O.; SILVA, N. M. Caracterização geoambiental da Microrregião do Seridó Oriental do Rio Grande do Norte. Holos, [s. l.] v. 2, p.78-91, 2007.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente (MMA). Programa de ação nacional de combate a desertificação e mitigação dos efeitos das secas – PAN-Brasil. Brasília: MMA, 2004.

CAVALCANTI, L. C. S. Cartografia de paisagens: fundamentos. 2 ed. São Paulo: Oficina de textos, 2018.

CHAVES, A. D. C. G.; SANTOS, R. M. S.; SANTOS, J. O; FERNANDES, A. A.; MARACAJÁ, P. B. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. ACSA – Agropecuária Científica no Semiárido, v. 9, n. 2, p. 43-48, 2013.

COSTA JÚNIOR, E. O.; OLIVEIRA, E. C. S.; FERNANDES, P. D. Variação sazonal do potencial hídrico em Cnidoscolus quercifolius Pohl (Faveleira), em área de Caatinga no Seridó paraibano. IN: X CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 2011, São Lourenço-MG, Anais..., São Lourenço, 2011.

DURIGAN, G. Métodos para análise de vegetação arbórea. In: CULLEN Jr., L; RUDRAN, R.; PADUA-VALADARES, C. (Orgs.). Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: UFPR/Fundação o Boticário de Proteção à Natureza, 2003.

FELIPE, J. L. A.; CARVALHO, E. A. Economia do Rio Grande do Norte: estudo geo-histórico e econômico. João Pessoa: Grafset, 2002. 144 p.

FERNANDES, M. F.; QUEIROZ, L. P. Vegetação e flora da Caatinga. Ciência e cultura. São Paulo. v. 70, n. 4., p. 51-56, 2018.

FIGUEIREDO, J. M. Revegetação de áreas antropizadas da Caatinga com espécies nativas. 2010. 60 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). Universidade Federal de Campina Grande, Patos, 2010.

GARÍGLIO, M. A.; SAMPAIO, E. V.S. B.; CESTARO, L. A.; KAGEYAMA, P. Y. Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga. Brasília/DF: Serviço Florestal Brasileiro, 2010.

GIULIETTI, A. A. et al. Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 2004. Disponível em: . Acesso em: abr. 2019.

IDEMA. Diretrizes para política de controle da desertificação no Rio Grande do Norte. Natal, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Disponível em: . Acesso em: 26 de set.2015.

MEDEIROS, J. A.; ALOUFA, M. A. I. Revegetação de área em processo de desertificação com a Faveleira (Cnidoscolus quercifolius Pohl) no município de São José do Seridó/RN. Revista Brasileira de Geografia Física. [s. l.]. v. 08, n. 04, p. 1158-1175, 2015.

MEDEIROS, J. A. Reabilitação de áreas em processo de desertificação no semiárido norteriograndense com a faveleira: espécie-chave cultural do bioma caatinga. 2018. 151 f. Tese (Doutorado em desenvolvimento e meio ambiente). Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, Natal, 2018.

MEIADO, M.V. A planta facilitadora Trischidium molle (Benth.) H. E. Ireland (Leguminosae) e sua relação com a comunidade de plantas em ambiente semiárido no Nordeste do Brasil. 2008. 85 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco-UFPE, Recife, 2008.

OLIVEIRA, E. C. S.; FERNANDES, P. D.; COSTA JÚNIOR, E. O. Categoria de uso para espécie Cnidoscolus quercifolius Pohl (Euphorbiaceae) no Seridó Ocidental do Estado da Paraíba. Revista de Biologia e Farmácia. v. 5. n. 2., p. 31-36, 2011.

PATERNO, G. B., SIQUEIRA FILHO, J. A.; GANADE, G. Species-specific facilitation, ontogenetic shifts and consequences for plant community succession. Journal of Vegetation Science (2016). Disponível em:. Acesso em: dez. 2018.

PADILLA, F.M.; PUGNAIRE, F.I. The role of nurse plants in the restoration of degraded environments. Frontiers in Ecology and the Environment. v. 4, p.196-202, 2006.

RIO GRANDE DO NORTE. PROGRAMA DE AÇÃO ESTADUAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - PAE/RN. Natal/RN, 2010.

SANTANA, J. A. S.; PIMENTA, A. S.; SOUTO, J. S.; ALMEIDA, F. V.; PACHECO, M. V. Levantamento florístico e associação de espécies na caatinga da Estação Ecológica do Seridó, Serra Negra do Norte – RN – Brasil. Revista Verde. Mossoró, v.4, n.4, p. 83 – 89, out.//dez. 2009.

SER. SOCIETY FOR ECOLOGICAL RESTORATION - International Science and Policy Working Group. The SER primer in ecological restoration (Version 2). 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

SANTOS, M. F. A. V.; GUERRA, T. N. F.; SOTERO, M. C.; SANTOS, J. I. N. Diversidade e densidade de espécies vegetais da caatinga com diferentes graus de degradação no município de Floresta, Pernambuco, Brasil. Rodriguésia. V. 60. N. 2. p. 389-402, 2009.

SILVA, S. N.; SOUSA, F. C. S.; GURJÃO, K. C. O.; SIQUEIRA, E. C. Levantamento de espécies vegetais em área de caatinga e potencial de uso no Cariri cearense. IN: I CONGRESSO INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO (CONIDIS), 2017, Campina Grande/PB, Anais..., Campina Grande: II CONIDIS, 2017.

SOUZA, B. I.; ARTIGAS, R. C.; LIMA, E. R. V. Caatinga e desertificação. Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 1, p. 131-150, 2015. DOI: https://doi.org/10.4215/RM2015.1401.0009

TRAVASSOS, I. S.; SOUZA, B. I. Solos e desertificação no Sertão paraibano. Cadernos do Logepa. João Pessoa. v. 6, n. 2, p. 101-114, jul./dez. 2011.

UNESCO. A ciência para o século XXI: uma nova visão e uma base de ação – Brasília: UNESCO, ABIPTI, 2003.

VEZZANI, F. M. Solos e os serviços ecossistêmicos. Revista Brasileira de Geografia Física. [s.l]. V. 08, número especial IV SMUD, p. 673-684, 2015.




DOI: https://doi.org/10.33237/geotemas.v10i2.4224

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e Bases Bibliográficas




https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=494578



Redes Sociais
 Academia.edu Facebook Instagram

Conteúdo Registrado (DOI)


Revista Associada


Apoio