A PRESENÇA DO SABER GEOGRÁFICO NA IDADE ANTIGA E NA IDADE MÉDIA

Raimundo Alberto Costa Queiroz, Marco Lunardi Escobar

Resumo


O trabalho em enfoque, compreende um estudo que objetiva mostrar que o saber geográfico já se encontrava presente na Idade Antiga e na Idade Média e que as ideias geográficas produzidas nesse período foram de grande importância para formação da Geografia acadêmica moderna. Nesse contexto, a pesquisa desenvolvida utilizou o método dedutivo como ponto de partida e, é um estudo de cunho qualitativo, já que se trata de uma pesquisa bibliográfica a respeito da temática em destaque, como uma forma de, a partir da leitura do acervo bibliográfico, se obter informações válidas a respeito da presença do saber geográfico na Idade Antiga e na Idade Média. Diante do estudo, conclui-se que a Geografia científica como conhecemos hoje, é fruto de um longo processo de origem e sistematização do saber geográfico, cuja gênese remonta a Idade Antiga e se estende até sua sistematização enquanto ciência, no século XIX. As ideias geográficas ao longo dos séculos, desde a Idade Antiga passando pela Idade Média, surgiram não por acaso, mas da necessidade do ser humano se orientar e se localizar no espaço em que habitava, representá-lo através de mapas e de conhecer melhor a natureza e o universo.

Palavras-chave


Saber Geográfico; Idade Antiga; Idade Média.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. C. de. Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1992.

ABRÃO. B. S. et al. Enciclopédia do estudante: história da Filosofia: da antiguidade aos pensadores do século XXI. São Paulo: Moderna, 2008.

BAUAB, F. P. Idade Média e conhecimento geográfico. Revista Faz Ciência, Londrina v.9, n.9, jan./jul., 2007, p. 149-166. Disponível em:

. Acesso em: 02 dez. 2019.

CARVALHO, M. S. de. Geografia e utopias medievais. Semina: Ciências Sociais e Humanas. Londrina, v.15, n.3, set, 1994, p. 223-238.

CARVALHO, M. S. de. Geografia e Imaginário na Idade Média. In: RAE'GA (Boletim do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná). Ano 1. n.1. 1998, p. 45-60. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v1i0.17914

CLAVAL. P. Epistemologia da Geografia. Tradução de Margareth de Castro Afeche Pimenta e Joana Afeche Pimenta. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

CHAUI, M. Iniciação à Filosofia. Ensino Médio/volume único. São Paulo: Ática, 2012.

DIEHL, A. A.; TATIN, D. C. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GODOY, P. R. T. (org.). História do pensamento geográfico e epistemologia da Geografia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

KIMBLE, G. H. T. A Geografia na Idade Média. Trad. Marcia Siqueira de Carvalho. Londrina: Editora da UEL, 2000.

MORAES, A. C. R. de. Geografia: pequena história crítica. 20. ed. São Paulo: Annablume, 2005.

MOREIRA, R. O que é Geografia? 2. ed. Brasília: Coletivo Território Livre, 2009.

NICOLA, U. Antologia ilustrada de Filosofia: das origens à Idade Moderna. São Paulo: Globo, 2005.

RUIZ, J. Á. Metodologia científica: Guia para eficiência no estudo. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.




DOI: https://doi.org/10.33237/geotemas.v10i1.4232

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e Bases Bibliográficas




https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=494578



Redes Sociais
 Academia.edu Facebook Instagram

Conteúdo Registrado (DOI)


Revista Associada


Apoio