POSSIBILIDADE DE USO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PARA O CONVÍVIO COM A SECA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: O CASO DE SERRA NEGRA DO NORTE/RN

Eulália Dantas da Costa, Sara Fernandes Flor de Souza, Marianna Fernandes Moreira, Rebecca Luna Lucena

Resumo


Estudos acerca das possibilidades de uso de águas residuárias para o convívio com a seca no semiárido brasileiro apontam para possíveis soluções quanto a utilização humana nessa região. Dessa forma, a presente pesquisa teve como objetivo principal analisar quais as práticas mais adequadas e viáveis para uso de águas provenientes de esgoto doméstico no município de Serra Negra do Norte/RN. Para realização dessa pesquisa, foi realizado o levantamento bibliográfico e documental sobre a temática e trabalhos de campo, incluindo visitas técnicas à secretaria de abastecimento de água do município, à Estação de tratamento de Esgoto - ETE e às áreas estratégicas e com potencial para o reuso de água, tanto na zona rural como nas áreas urbanas do município. Após execução das etapas metodológicas, foi possível detectar que alguns usos da água proveniente da ETE já vêm sendo realizados na área rural do município de Serra Negra do Norte. As plantações do capim elefante existentes nas áreas beneficiárias pela irrigação por águas residuárias são destinadas principalmente aos médios e grandes agricultores da zona rural do município e esta pode ser estendida para pequenos agricultores, caso haja possibilidade de ampliação do sistema de distribuição desse efluente. Também foi possível verificar que na área urbana de Serra Negra do Norte, muitas praças e canteiros poderiam ser contemplados com águas de reuso. Contudo, destacamos os cuidados que devem ser tomados quando do uso de águas provenientes de ETE.

Palavras-chave


Reuso de água; Semiárido brasileiro; Esgoto tratado; Serra Negra do Norte/RN.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A.N, O domínio Morfoclimático das Caatingas Brasileiras. São Paulo, IGEOG/USP,1974.

______, A. N. Problemática da Desertificação e da savanização no Brasil Intertropical. Geomorfologia. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1977. 19 p.

______, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BASTOS, R.K.X, Utilização de esgotos tratados em fertirrigação, Hidroponia e Piscicultura. Rio de Janeiro, Associação, 2003.

BENETTI, A.D. Reuso de águas residuárias na agricultura: cenário atual e desafios a serem enfrentados. Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRG, Instituto de Pesquisa Hidráulica/IPH, 2006.

CAMARA. Decreto nº 63.778, de 11 de Dezembro de 1968. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-63778-11-dezembro-1968-405144-publicacaooriginal-1-pe.html >. Acesso em: 20 nov. 2019.

CLARKE, R; KING, J. O atlas da água: mapeamento completo do recurso mais precioso do planeta, São Paulo, Publifolha, 2005. 129 p.

CNRH - RESOLUÇÃO Nº 54, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005. Disponível em:< http://www.cnrh.gov.br/reuso-de-agua-recursos-hidricos/37-resolucao-n-54-de-28-denovembro-de-2005> Acesso em: 20 nov. 2019.

CONAMA – RESOLUÇÃO Nº 357, 17 DE MARÇO DE 2005. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama > Acesso em: 20 nov. 2019.

FERNANDES, F. D.; JÚNIOR, G. B. M; FALEIRO, F. G.; GOMES, A. C.; LÊDO, F. J. S.; PEREIRA, A. V. Produção e valor nutritivo da forragem de clones de capim-elefante no Distrito Federal, Planaltina – DF. Embrapa Cerrados. Boletim de pesquisa e desenvolvimento/EMBRAPA, Cerrados, 2005.

HESPANHOL, I. Esgotos como Recurso Hídrico: Parte I: Dimensões políticas, institucionais, legais, econômico-financeiras e sócio-culturais, Engenharia – Revista do Instituto de Engenharia, Nº 523., p. 45-58, 1997.

______, I. Potencial de reuso de água no Brasil: agricultura, indústria, munícipios, recarga de aquíferos. Revista Bahia análise e dados, Salvador, V. 13, nº especial, p. 411437, 2003.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2018. Disponível em:< http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/semiarido.shtm?c=4> Acesso em: 18 nov. 2019.

LUCENA, C. Y. S. ; SANTOS, D. J. R. ; SILVA, P. L. S. ; COSTA, E. D. ; LUCENA, R. L. . O reúso de águas residuárias como meio de combate à seca em uma cidade no semiárido do Nordeste brasileiro. Revista de Geociências do Nordeste (REGNE), v. 4, p. 01-17, 2018.

LUCENA, R. L.; CABRAL-JUNIOR, J. B.; STEINKE, E. T. Comportamento Hidroclimatológico do Estado do Rio Grande do Norte e do Município de Caicó. Revista Brasileira de Meteorologia, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 485-496, jul. / set. 2018.

MANCUSO, P. C. S. et. al. Reuso de água. Barueri, S.P.: Manole, 2003.

MOLION, L. C. B.; BERNARDO, S. de O. Uma revisão da dinâmica das chuvas no Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v.17, n.l ,1- 10, 2002.

MOTA, S.; BEZERRA, F. C.; TOMÉ, L. M. Avaliação do desempenho de culturas irrigadas com esgoto tratado. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e ambiental ABES. Fortaleza-CE, 2000.

NIMER, E. Circulação atmosférica do Nordeste e suas consequências: o fenômeno das secas. In: Climatologia do Brasil. Rio de janeiro: IBGE, 1979.

REBOITA, M. S. et al. Causas da semi-aridez do sertão nordestino. Revista brasileira de Climatologia. Ano 12 – Vol. 19 – JUL/DEZ. 254-277 p. 2016.

SARAIVA, V. M.; KONIG, A. Produtividade do capim-elefante-roxo irrigado com efluente doméstico tratado no semiárido potiguar e suas utilidades. Holos. Ano 29, Vol. 1, p 28-46, 2013.

SCHEER, G. G.; ZSCHORNACK, T.; MUNDSTOCK, C. M.; QUADROS, V.; Qualidade de água do efluente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Cachoeirinha, RS. 2013.

SILVA, A. R.; SANTOS, T. S. dos; QUEIROZ, D. E. de; GUSMÃO, M. O.; SILVA. T. G. F. da. Variações no índice de anomalia de chuva no semiárido. Journal of Environmental Analysis and Progress. V. 02 N. 04, 377-384, 2017.

SILVA, L. F. A; LEITE, G. G.; ARAÚJO, K. V.; REZENDE, M.; M. J. S. Consumo e digestibilidade parente da matéria seca e proteína bruta do capim elefante Penniselum purpureum Schum. Por Equinos. EMPRAPA/Cerrado, 2005.

SOBCZAK, M. F, Manejo agroecológico do capim-elefante sob pastejo, consorciado com culturas de ciclo estival e hibernal. Santa Maria/Rio Grande do Sul, 2004.




DOI: https://doi.org/10.33237/geotemas.v10i2.4375

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e Bases Bibliográficas




https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=494578



Redes Sociais
 Academia.edu Facebook Instagram

Conteúdo Registrado (DOI)


Revista Associada


Apoio