FRAGMENTAÇÃO DOS SABERES: UM BREVE OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Adriana Melquíades dos Santos, Helder Cavalcante Câmara, Ailton Siqueira de Sousa Fonseca

Resumo


A Educação Física escolar tem se constituído como uma disciplina essencial na formação dos alunos imersos no espaço escolar, no entanto, para que isso se materialize, é preciso estar atento a certos aspectos que podem estar presentes em suas práticas e se tornarem inócuos a uma formação satisfatória. Sem querer adentrar em uma análise de todos os aspectos que podem interferir na qualidade das aulas, direcionaremos nossas reflexões aos saberes tratados na disciplina, especificamente na abordagem e na relação teoria e prática. Vale considerar que adentraremos na discussão de caráter bibliográfico sob as lentes do paradigma da complexidade, visto que estas nos permitem perceber a realidade em seus textos e contextos constitutivos e inter-relacionais. Nas discussões que levantamos, pudemos perceber que os saberes estão postos e apreendidos de forma que, cada vez mais, distancia-se de uma visão global. Dominamos cada vez mais o pouco, mas esse muito sobre pouco se torna saber inconsistente e frágil, pois perde as conexões com o todo constitutivo e, assim, mais tornamos nossas percepções míopes. Urge e é necessário a religação dos saberes, de forma a adquirirmos uma visão mais geral sobre a realidade. Uma percepção global de realidade permite perceber as coisas e o mundo considerando os diversos aspectos que estão presentes, como os sociais, os culturais, os biológicos, os afetivos, entre outros. A escola precisa proporcionar essa formação geral, de modo que os sujeitos nela imersos (os alunos) adquiram um olhar desvelador da realidade. Outro aspecto que pudemos identificar foi a existência de um distanciamento entre teoria e prática, o que pode se configurar em mais uma forma de fragmentação dos saberes. Esses aspectos não estariam distanciados da realidade da Educação Física escolar, visto que ― ainda influenciada pela tendência fundadora da disciplina no Brasil, a qual dava ênfase a alguns aspectos, ora relacionados à saúde, ora ao esporte, a título de ilustração ―, firmar-se-iam como práticas redutoras. Além do mais, principalmente por dispor de atividades de caráter mais prático, não identificam claramente a teoria presente na prática, nem a prática enquanto inextricavelmente ligada à teoria. Portanto, é necessária, a nosso ver, a superação de práticas pautada em olhares redutores e fragmentados, sem os quais a ação pedagógica pode tornar-se pouco eficaz.

Palavras-chave: Saberes. Educação Física. Fragmentação.

Texto completo:

PDF