O Manifesto Comunista e a dialética sem síntese de Merleau-Ponty

Iraquitan de Oliveira Caminha

Resumo


Resumo: Em 21 de fevereiro de 1848, foi publicado pela primeira vez em Londres o Manifesto Comunista, escrito por Marx em Engels.  Quando escreveram o manifesto, os dois parceiros estavam exilados na Bélgica. Eles dirigiam uma organização internacional chamada de “Liga dos Comunistas”. Esse documento foi produzido para orientar a classe operária na sua missão revolucionária. Não fazia sentido apenas compreender o mundo, era preciso transformá-lo. Em 2018, sob a coordenação do professor Marcos Érico de Araújo Silva da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), foi realizado um evento em que foram comemorados os 200 anos de nascimento de Karl Marx e 170 anos do Manifesto Comunista. Na ocasião, fiz uma fala sobre o Manifesto Comunista e o modo de conceber a dialética de Merleau-Ponty. Irei retomar essa fala aqui com o objetivo de analisar como a dialética sem síntese de Merleau-Ponty pode ser usada como referência para se pensar esse Manifesto e apontar um horizonte para sua atualidade.
 
Palavras-chave: Manifesto Comunista. Dialética. Merleau-Ponty. 
 
Abstract: On February 21, 1848, the Communist Manifesto, written by Marx in Engels, was published for the first time in London. When they wrote the manifesto, the two partners were exiled in Belgium. They ran an international organization called the "Communist League." This document was produced to guide the working class in its revolutionary mission. It made no sense just to understand the world, it had to be transformed. In 2018, under the coordination of professor Marcos Érico de Araújo Silva from Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), an event was held in which 200 years of Karl Marx's birth and 170 years of Communist Manifesto were celebrated. At that time I gave a talk on the Communist Manifesto and the way of conceiving the dialectic of Merleau-Ponty. I will return to this speech here with the aim of analyzing how the dialectic without synthesis of Merleau-Ponty can be used as reference to think this Manifesto and to point a horizon for its present.
 
Keywords: Communist Manifesto. Dialectic. Merleau-Ponty.
 

REFERÊNCIAS
 
AREDT, Hannah. Origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. 
 
BLOCH, Ernst. O princípio esperança. Rio de Janeiro: Contraponto, Vol. I, 2005. CAMINHA, Iraquitan de Oliveira. Humanismo e Terror segundo Merleau-Ponty: em que medida é possível tolerar a violência? In: Saeculum: Revista de História, João Pessoa, Jul/Dez 2008.
 
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. Tradução de Álvaro Pina, e Ivana Jinkings. Organização e introdução de Osvaldo Coggiola. São Paulo: Boitempo,  2010.

MERLEAU-PONTY, Maurice. As aventuras da dialética. São Paulo: Martins Fontes, 2016.
 
MERLEAU-PONTY, Maurice. Humanismo e Terror: ensaio sobre o problema comunista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1968.
 
MERLEAU-PONTY, Maurice. Le visible et l’invisible. Paris, Gallimard, 1991.
 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25244/tf.v11i3.3541



        

     

   

 

 

Todos os trabalhos são publicados gratuitamente e com acesso livre sob a licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

TRILHAS FILOSÓFICAS - ISSN 1984-5561 - DOI: 10.25244/TF trilhasfilosoficas@uern.br

UERN - DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA - MESTRADO PROFISSIONAL EM FILOSOFIA - CAICÓ - RN - BRASIL