A estranha objetividade do valor: trabalho, ideologia e capital no pensamento de Marx

Wécio Pinheiro Araújo

Resumo


Resumo: Em O Capital, Marx nos alertou que a mercadoria tem um caráter misterioso que carrega “sutilezas metafísicas e argúcias teológicas”. Este artigo tenta decifrar um pouco desse mistério buscando decodifica-lo naquilo que denominamos como a estranha objetividade do valor. Para isso, analisamos a relação entre a ideologia e o valor a partir da crítica marxiana à mercadoria, consignada à lógica de Hegel. Vemos que o valor se constitui como razão ontológica da mercadoria enquanto produto do processo de trabalho que carrega uma racionalidade imanente, isto é, um espírito socialmente produzido que se objetiva à medida que é vivenciado pelos indivíduos como uma lógica social que rege as relações nesta sociedade. Isso se dá por meio de “sutilezas metafísicas” na formação da realidade social marcada por contradições estabelecidas entre, de um lado, o conteúdo objetivo das relações sociais, e de outro, a forma como essas relações são vivenciadas pela consciência na sociedade capitalista. Nesta relação entre conteúdo e forma, encontramos determinações de profundidade ontológica entre o valor e a ideologia, enquanto forma social que opera harmonizando as contradições constituintes da realidade social, a exemplo do que acontece no trabalho assalariado. A mediação ideológica se põe como uma progressão imanente à materialização da vivência concreta da relação entre capital e trabalho no salário, de maneira a naturalizar a exploração que se esconde na estranha objetividade do valor que se realiza na troca de mercadorias. Concluímos que a conexão ontológica entre o ser social e a mercadoria é socialmente ubíqua, precisamente por conta do seu caráter ideológico na formação da sociabilidade a partir do processo de trabalho subjugado ao capital.
 
Palavras-chave: Valor. Ideologia. Trabalho, Capital. Salário.
 
Abstract: In Capital, Marx warned us that the commodity has a mysterious character bearing "metaphysical subtleties and theological insights." This article attempts to decipher a little of this mystery by decoding it into what we call the strange objectivity of value. For this, we analyze the relation between ideology and value from the Marxian critique of the commodity, consigned to the Hegelian logic. We see that value is constituted as the ontological reason of the commodity as the product of the labor process that carries an immanent rationality, that is, a socially produced spirit that is objectified as it is experienced by the individuals as a social logic that governs the relations in this society. This is done through "metaphysical subtleties" in the formation of social reality marked by contradictions established between, on the one hand, the objective content of social relations, and on the other, the way in which these relations are experienced by consciousness in capitalist society. In this relationship between content and form, we find determinations of ontological depth between value and ideology, as a social form that operates by harmonizing the constituent contradictions of social reality, as in wage labor. Ideological mediation is seen as an immanent progression to the materialization of the concrete experience of the relation between capital and labor in wage, in order to naturalize the exploitation that is hidden in the strange objectivity of the value that is realized in the exchange of commodities. We conclude that the ontological connection between the social being and the commodity is socially ubiquitous precisely because of its ideological character in the formation of sociability from the labor process subjugated to capital.
 
Keywords: Value. Labor. Ideology. Capital. Wage.

 

REFERÊNCIAS
 
ADORNO, Theodor W. Teoria Estética. [Asthetische Theorie]. Tradução de Artur Morão. – São Paulo : Livraria Martins Fontes, 1988.
 
ADORNO, Theodor W. Três estudos sobre Hegel. [Drei Studien zu Hegel]. Tradução: Ulisses Razzante Vaccari. – 1. Ed. – São Paulo: Editora Unesp, 2013.
 
ARAÚJO, Wécio Pinheiro. Ideologia e capital: crítica da razão imanente à sociedade moderna. Tese de doutorado. João Pessoa, PB; Leipzig, Saxônia, UFPB/UFPE/UFRN-HGB, 2018.
 
ARTHUR, Christopher J. A nova dialética e “O Capital” de Marx. Tradução de Pedro C. Chadarevian. – São Paulo : Edipro, 2016. 
 
DUSSEL, Enrique. A Produção Teórica de Marx: um comentário sobre os Grundrisse. Tradução de José Paulo Netto. – 1 ed. – São Paulo : Expressão Popular, 2012.

GERAS, Norman. Marx and the Critique of Political Economy. In: Ideology and Social Science: politics, sociology, anthropology, economics, history. – Ed. by Robin Blackburn, Fontana/Collins, 1977, p. 284-305.
 
JAEGGI, Rahel. Alienation: News directions in Critical Theory. Columbia Uni. Press, 2014.
 
HERÁCLITO, de Éfeso. Heráclito : fragmentos contextualizados. Tradução, apresentação e comentários Alexandre Costa. – São Paulo : Odysseus Editora, 2012.
 
HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito
 
[Phänomenologie des Geistes]. Tradução de Paulo Meneses; com a colaboração de Karl-Heinz Efken, e José Nogueira Machado. – 5. ed. – Petrópolis, RJ : Vozes : Bragança Paulista, Editora Universitária São Francisco, 2008.
 
MARX, Karl. Das Kapital: Der Produktionprozess des Kapitals. Erster Band, Erstes Buch (Kapitel XVI-LII). Hamburg, Nikol Verlag., 2016.
 
MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858 : esboços da crítica da economia política. – supervisão editorial Mario Duayer; tradução Mario Duayer, Nélio Schneider (colaboração de Alice Helga Werner e Rudiger Hoffman). – São Paulo : Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.
 
MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. [Ökonomie-philosophische Manuskripte] Tradução, apresentação e notas de Jesus Ranieri. - 2. reimp. - São Paulo : Boitempo Editorial, 2008.
 
MARX, Karl. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro 1 – O Processo de Produção do Capital. Vol. I – 10 ª. Edição, Tradução de Reginaldo Sant’ Anna. Do original em alemão: DAS KAPITAL – Kritik der politischen Ökonomie (Buch I: Der Produktionsprozes des Kapitals, Quarta edição, 1890). São Paulo : DIFEL, 1985.
 
MARX, Karl. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro 1 – O processo de produção do capital. Do original em alemão: DAS KAPITAL – Kritik der politischen Ökonomie (Buch 1: Der Produktionsprozess des Kapitals.  – São Paulo: Boitempo, 2013.   NICHOLS, Bill. Ideology and the Image: Social Representation in the Cinema and Other Media. Bloomington: Indiana University Press, 1981.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25244/tf.v11i3.3545



        

     

   

 

 

Todos os trabalhos são publicados gratuitamente e com acesso livre sob a licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

TRILHAS FILOSÓFICAS - ISSN 1984-5561 - DOI: 10.25244/TF trilhasfilosoficas@uern.br

UERN - DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA - MESTRADO PROFISSIONAL EM FILOSOFIA - CAICÓ - RN - BRASIL